Coluna do Biricutico – fatos e versões da política da nossa Ubatuba

Uns dizem que é uma questão de longitude, outras de latitude. O certo é que comentam que tem fiscal bastante preocupado com laudos e pareceres dados no passado. Se vai dar em alguma coisa, não se sabe, mas que tem gente de cabelo em pé, ah, isso tem.

A síndrome do pequeno poder é uma realidade em muitas administrações, até de fazendas. Dizem que tem adjunto que tá se achando, até a prima ele andou maltratando. Resultado: funcionários tristes, chateados, irritados, insatisfeitos, e, por isso, pode surgir até manifesto pedindo a cabeça dele. É cedo, eu sei, mas quem cava a própria cova, se enterra.

Mais uma vez, dizem que a Rádio Costa Azul pode ressurgir. Novas negociações parece que estão ocorrendo. O ar está com uma atmosfera que pode trazer surpresas, caso o grupo, ligado ao ex-prefeito Eduardo César, realmente decida passar a concessão adiante. Um novo grupo trabalha para construir essa obra, experiência na área da construção não faltaria, resta saber se terá a mesma pegada para por no ar uma rádio de qualidade.

Parece que tem área no fim da Praia Grande que, por tombamento, não poderia ser mexida, mas, também parece, que há coisas ocorrendo. É bom ficarmos espertos. Por melhor que venha a ser o almoço ou jantar, temos de ver se vale mexer em algo que possui proteção legal, e se há autorização que permita alterações. Apesar que em se tratando de Brasil, e Ubatuba, tudo sempre pode acontecer. Como diria Jorge Ben Jor: “Alô, Alô! W o Brasil! Alô, Alô! W o Brasil!
Jacarezinho! Avião! Jacarezinho! Avião! Cuidado com o disco voador. Tira essa escada daí. Essa escada é prá ficar aqui fora. Eu vou chamar o síndico. Tim Maia! Tim Maia! Tim Maia! Tim Maia!”

Dizem que dia 28 é um dia especial. Parece que tem um possível julgamento deixando muita gente de cabelo em pé. Imagina, findar cargos comissionados, como acomodar os apaziguados de vereadores? Tenso, muito tenso. Que a viagem a Brasilia evite a catástrofe, caso contrário, pode haver muita choradeira.

E as demissões na Santa Casa podem não ter se encerrado. Além dos nomes dispensados na semana passada, novos podem deixar o hospital a qualquer momento. É o que dizem. A pergunta que fica é: e o passivo, as questões trabalhistas? Novamente nas costas da prefeitura? E os cargos, serão ocupados? As demissões eram necessárias ou foi somente uma troca de grupo, de indicações? Quem souber as respostas, fique à vontade, ficarei feliz em saber. Só comentar aqui abaixo, obrigado.

P.S.: Dizem qeu teve funcionário da saúde que ainda não tomou a segunda dose da vacina, o que pode significar que a primeira dose foi perdida, pois o prazo já teria vencido e agora vai ser preciso vacinar a primeira dose novamente. A se confirmar, se juntariam às mais de 250 doses que já teriam sido perdidas por problemas de armazenamento. Tá “bão”, tá sobrando vacina no mundo todo mesmo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do LC28

Compartilhe: