O grupo de voluntários Tamoio realiza na manhã de hoje, dia 16 de janeiro, uma ação de contenção no Rio Tavares, na altura da ponte  entre a avenida Pacaembú e a avenida Rio Grande do Sul.

O trabalho consiste em colocar uma barreira flutuante que permita reter os resíduos sólidos.

De acordo com as informações apresentadas pelos integrantes do grupo, quando há problemas de cheia, como o ocorrido no alagamento provocado pela chuva no dia dois de janeiro, é possível perceber que, ao baixar das águas, além do esgoto, que é um problema sério, muito resíduo sólido fica parado na margem do rio.

A barreira feita a partir de galões plásticos vai permitir que esse material seja retido e facilite sua retirada.

No entanto, esse tipo de ação não resolve o problema do esgoto. Esse ponto é mais delicado e precisa de ações mais complexas, pois saneamento básico é algo que há muito se discute e pouco se efetiva de ações para resolver.

Foi possível, ao acompanhar as ações do grupo Tamoio, na manhã de hoje,  contatar que além dos resíduos que estão na margem do rio, trazidos pela enchente dos início do ano, há problemas ocasionados pela ocupação da mata entorno do rio que, em muitos momentos, serve de abrigo para moradores de rua, que consomem bebidas e alimentos e deixam garrafas e outros material jogados próximo ao leito.

Apoio da iniciativa privada

Ainda durante a ação do grupo Tamoio, e  por conta dos problemas constatados no local, surgiu a ideia de se tentar agendar uma reunião com a direção do atacadista que está se instalando próximo ao rio. O objetivo é negociar para que a empresa adote o local e promova um trabalho de preservação do entorno, cercando e promovendo ações de educação ambiental junto à comunidade.

Tão logo a reunião seja agendada, traremos detalhes a respeito do resultado da conversa entre empresa, vereadores e grupo Tamoio.

Compartilhe: