Coluna Sem etc…
Por Ednelson Prado

Um olhar um pouco mais atento já consegue ver que começou a temporada dos deputados paraquedistas que se aproximam da nossa cidade para dizerem que sempre estiveram conosco.

Ano que vem tem eleição e nomes que nunca pisaram por aqui, ou só tiveram de passagem, começam a aparecer, trazer migalhas como se fossem grandes doações, apoio, preocupação com a nossa gente. O pior, muitos sob as bençãos de políticos, com mandado ou não, que agem como se tais nomes fossem realmente parceiros de Ubatuba, que ao longo dos anos tivessem vindo aqui e tivessem demonstrado preocupações reais.

Sempre foi assim, e parece que está longe de deixar de ser. São nomes que vêm aqui, dão esmolas, são vangloriados, exaltados, mas, ao final, depois dos votos conquistados, se vão e não voltam, pelo menos não até a próxima eleição.

Via de regra, seus apoiadores, responsáveis por trazê-los e defende-los neste período, até outubro do ano que vem, ganham algum dinheiro ou algum benefício particular, muito longe dos benefícios coletivos.

Enquanto assistimos a isso acontecer naturalmente, como sempre foi, continuamos sem representação real, aquela que vai nos defender ao longo dos anos, não apenas no período eleitoral.

Ubatuba pode vir a ter de quatro a seis, sete candidatos locais a deputado, no ano que vem. Temos voto suficiente para ajudar eleger pelo menos um. O Litoral Norte deve ter um bom número de candidatos, e temos votos suficientes para elegermos mais de um, tanto a federal quanto a estadual, e é para isso que temos de dar atenção.

Discuto e questiono isso há anos, desde os meus tempos de Rádio Costa Azul, em idos dos anos de 1990. Cada vez que damos espaço, apoiamos e votamos nesses paraquedistas, a cidade perde, a população perde. Damos a quem não tem nenhuma ligação com a cidade, e com os interesses locais, o poder de decidir e apoiar suas cidades, seus redutos eleitorais, pois não possuem vínculos reais com Ubatuba.

Nenhum desses candidatos espera ter aqui votos suficientes para elegê-los. Eles esperam somar o máximo de votos possível. Então, 100, 200 votos que dispensamos a eles é o suficiente e satisfatório para se somar aos votos que eles vão captar, principalmente em suas cidades base. No entanto, esses 100, 200 votos vão fazer muita falta aos candidatos locais para que eles tenham chances reais de se elegerem.

Conquistado os poucos votos, a missão dos paraquedistas estará cumprida e o retorno, quase sempre, ficará para o próximo pleito.

Precisamos deixar de sermos moeda de troca para determinados interesses da classe política, precisamos ser prioridade. E Ubatuba vai ser prioridade apenas para os seus candidatos, os candidatos da terra, da cidade, no máximo da região, principalmente do Litoral.

Ignorando isso, damos mais um passo para termos mais quatro anos de abandono, de falta de representatividade.

É nosso papel lutarmos pela nossa cidade e pela nossa região. Um candidato que vem da capital, que vem da região central do Estado, que você nunca ouviu falar, por nunca ter nos visitado, nunca ter nos ajudado, não merece nossa atenção, pois irá nos ignorar tão logo garanta os votos que ajude a elege-los. Você já viu esse filme, tenho certeza, então, pense com carinho nisso e ajude a mudar essa realidade.

Não se contente com migalhas, lute pela representatividade da nossa cidade e da nossa região. Vote em candidatos que possam nos representar de verdade, que se preocupem com a nossa cidade de verdade. Diga não aos paraquedistas, pois eles já começaram a aparecer e devem vir em um número cada vez maior daqui para a frente apenas para te agradar, conquistar o seu voto e, depois, sumir.

Fique à vontade para comentar.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do LC28

 

 

 

 

 

 

Ednelson Prado
Jornalista, professor de ensino superior e doutorando em Comunicação pela Anhembi/Morumbi, SP.

Compartilhe: