Coluna Voz da mulher
Por Priscilla Hunck

É importante refletir que, mesmo que a violência contra a mulher aconteça na vida privada, esse debate a respeito do combate a violência contra a mulher, é de caráter público. Somente desta forma conseguiremos combater esse fenômeno social.

Para muitas pessoas, o lar é sinônimo de paz, tranquilidade, acolhimento, laços familiares, mas para muitas mulheres, estar no lar significa terror, insegurança, medo…

Essas mulheres que se encontram em situação de violência doméstica, preferem estar no espaço público, rodeadas de pessoas, do que em seus próprios lares, pois sabem que em público, elas podem pedir socorro.

Portanto, é necessário afirmar a importância da construção de políticas públicas eficientes, que garantam os direitos básicos dessas mulheres, que são: saúde, segurança, liberdade, justiça, e o principal, o direito a vida. Reconhecer esses direitos, é também mudar a visão para construção de políticas públicas eficientes.

É fato que enfrentar qualquer forma de Violência sem antes conhecer suas características é impossível.

Precisamos antes, definir os pilares para a construção de políticas públicas eficientes, para o combate da Violência.
Esse pilares são:

• Educação- formular políticas públicas na área da educação, para contribuir no combate a violência contra a mulher, é essencial, visto que ali é o início de tudo. Onde crianças que vivem em lares agressivos, presenciam todos os dias algum tipo de violência.
Por isso, abordar questões como essa em sala de aula pode contribuir para uma sociedade menos violenta.

•Saúde- o abuso sexual contra mulheres constituí violação dos Direitos Humanos fundamentais das mulheres, pois atinge a saúde, a integridade física, e a própria vida. É necessário adotar medidas por meio de políticas públicas, de médio a longo prazo, capacitando e formando agentes de saúde para identificar qualquer tipo de abuso ou violência, para atuarem em diferentes programas no combate a Violência.

•Segurança e Proteção- a criação de mecanismos de segurança e proteção da mulher é fundamental para o enfrentamento da violência. Como citado na Lei Maria da Penha, é necessária a criação de centros de atendimento a mulher 24hrs, casa de abrigo para mulheres em situação de violência e seus dependentes, construção de uma rede de segurança no município, para assegurar as mulheres em situação de violência que estão protegidas, e a criação de meios seguros e rápidos para realizarem a denúncia.

A construção de uma sociedade mais livre, democrática, e segura para mulheres, depende diretamente do setor público, e com mais participação das mulheres, esse ideal se torna possível.

Diante desse fenômeno social, que é a Violência doméstica contra as mulheres, para conseguir superar, ou até mesmo cessar esse problema, é necessário permitir que mulheres possam criar uma ambiência em que coletivamente possam agir de forma a não serem inferiorizadas por serem mulher, e que possam participar ativamente dos debates públicos, influenciando no modo de vida social das mulheres, por meio das políticas públicas.

A busca do bem comum é também lutar por políticas públicas, onde direitos e deveres são os pilares para a construção de um novo jeito de se viver em sociedade.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do LC28

Priscilla Hunck
Cientista política e presidente do Instituto Todas por Uma.

Compartilhe: