O Ministério Público Instaurou inquérito civil para apurar possível exploração descontrolada do turismo na Praia da Fortaleza.

Entre os objetivos do MP está averiguar a prática de turismo predatório decorrente,
entre outros fatores, do aumento do fluxo de turistas transportados por escunas.

O órgão está preocupado com os possíveis danos ambientais que um descontrole no número de visitantes possa ocasionar.

Em documento, o MP questiona se a prefeita Flavia Pascoal vem cobrando e fazendo cumprir as leis de proteção ao meio ambiente junto aos proprietários e responsáveis pelas viagens de escuna até a Praia da Fortaleza.

Além disso, a prefeitura esta sendo questionada se os operadores de escuna que desembarcam no local estão devidamente licenciados e desempenhando suas atividades em estrita conformidade com a autorização municipal.

No caso de negativa, o MP cobra da prefeitura quais medidas estão sendo adotadas para impedir o turismo predatório e recomenda que ações emergenciais sejam adotadas para ordenar a prática do turismo no local.

Além da prefeitura, o Ministério Público ainda solicita medidas a outros órgãos como o Conselho Gestor da APA Marinha do Litoral Norte, Polícia Militar Ambiental e Marinha do Brasil, para que avaliem, se posicionem e tomem medidas para corrigir possíveis distorções no uso da Praia da Fortaleza e sua piscina natural.

Compartilhe: