A Praça da Matriz foi durante anos um ponto de encontro da sociedade local. Nas décadas de 1970 e 1980, em especial, aos domingos, depois da missa, era o espaço em que as crianças corriam, brincavam, enquanto os pais acompanhavam a boa música apresentada pela Banda Lira Padre Anchieta, que se apresentava no coreto.

Os mais saudosistas, com certeza, se lembram dos momentos vividos naquele local, a descontração, os encontros com os amigos, a pipoca.

Esses momentos circulavam, claro, em torno do coreto, um espaço pequeno, mas que permitia a reunião de pessoas que faziam da música não seu ganha pão, mas seu momento de descontração, de prazer e de satisfação.

Sob o comando do maestro Pedrinho, a Lira Padre Anchieta alegrava as noites.

Quem lê este texto e relembra os momentos vividos, as conversas, as paqueras, com certeza se entristece com a realidade desse espaço tão especial.

A praça como um todo, mas o coreto, principalmente, se encontram há anos como um espaço que não recebe a atenção devida.

Já há algum tempo, o coreto serve de abrigo para pessoas em situação de rua, o espaço está sujo e mal cuidado.

É possível ver pelas fotos que pouco ou quase nada tem sido feito para mudar essa realidade. Até o cano d’água já foi quebrado e a torneira que ali existe e que poderia para ser utilizada, por exemplo, para a colocação de uma mangueira para aguar as plantas da praça, agora serve para que os ocupantes do coreto se banhem em plena luz do dia.

Diversas reclamações já foram feitas, mas solução definitiva, até o momento não foi adotada.

Vez ou outra, é possível ver a Guarda Municipal retirando as pessoas do local, mas em pouco tempo o espaço volta a ser ocupado.

A revitalização da praça é uma necessidade, assim como o policiamento ostensivo e a ação direta do serviço social para que seja colocado fim a essa inversão da finalidade do coreto, que de cartão-postal passou a abrigo de pessoas em situação de rua. Desta forma, a praça poderia voltar a ser o local de encontro das famílias, não apenas em dias de festas e eventos, como ocorre hoje.

Compartilhe: